quinta-feira, 24 de julho de 2014

A COISIFICAÇÃO DO OUTRO

A irracionalidade atual 

Nesse pequeno texto gostaria de mostrar a crescente ampliação da ignorância e da irracionalidade ao nosso redor. 
Eu acredito que o "auxílio ou ajuda" externa (à grupos extremistas, tanto do ponto de vista ideológico quanto logístico) conduz à população "alvo" à perda de confiança e credibilidade em instituições e governos. É este o objetivo e o fim último de algumas manifestações orquestradas tanto por grupos bem intencionados quanto aqueles mal-intencionados.  
Essas ações comunitárias ou grupais (de entidades que existem dentro da sociedade) levam a uma "coisificação" (reificação) do outro (e consequentemente do eu envolvido nesses atos). Essas ações, fazendo uso da irracionalidade presente nas pessoas, levam grupos ao confronto ou levam um determinado grupo provocar a sociedade como um todo, promovendo o surgimento ou o descolamento da irracionalidade escondida em cada um dia indivíduos. Senão, como explicar pessoas queimando bandeiras, destruindo o patrimônio público ou privado ou simplesmente detratando, desfazendo e desqualificando ações governamentais que sabidamente estão dando certo. Como exemplo posso citar que em determinados países ditos "ricos ou de primeiro mundo", agora, depois de décadas de negação da existência da desigualdade, os ricos (=o capital) achou uma explicação para o distanciamento de ricos e pobres: os que tem dinheiro, agora acham que impostos maiores sobre fortunas está aumentando a desigualdade... Essa seria a explicação não só para a existência da desigualdade econômica visível no mundo quanto explicação de sua amplificação.  
Isso para mim é irracionalidade pura. 
E a irracionalidade com certeza gera ou contribui para o caos. 
Aqui no Brasil não é diferente, vemos uma elite atrasada vaiando o chefe de estado. 
Eu vejo um cenário do tipo: a elite se olha no espelho e desgostosa do que vê pega a única saída: a vaia, a negação, a desqualificação de idéias e programas que dão certo. 
O governo comete erros? Comete. O governo tem mazelas? Tem. 
Mas qual governo no mundo não comete erros e esta isento de mazelas? 
O poder é isso. Corrói, corrompe.  
Mas a democracia (por essência e princípio) pode e deve corrigir e o faz. E vemos isso muito mais agora do que em todo o nosso passado (1500-2002). 

Nenhum comentário: